Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > GEIPAM
Início do conteúdo da página

GEIPAM UFPA

Publicado: Quarta, 25 de Julho de 2018, 12h07 | Última atualização em Quinta, 06 de Junho de 2019, 18h27 | Acessos: 246

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

O Grupo de Estudos e Pesquisas Interculturais Pará-Maranhão (GEIPAM) foi criado em 2016, como esforço conjunto de parte do corpo docente da Faculdade de História do Campus Universitário de Bragança, da Universidade Federal do Pará (UFPA), para ampliar o debate acadêmico e consolidar as atividades de ensino, pesquisa e extensão já recorrentes nesta faculdade. O Grupo atualmente desenvolve estudos sócio-históricos e etnográficos, bem como histórico-documentais, sobre as dinâmicas envolvendo indígenas, afrodescendentes e as chamadas populações tradicionais em processos de interação, no trânsito entre o Pará e o Maranhão; bem como tem interesse em analisar os mesmos processos de trocas e relações entre sujeitos na chamada Pan-Amazônia, pensando a fluidez das fronteiras que foram erigidas ao longo do tempo na região. Investiga práticas, saberes e representações em contextos cosmológicos, históricos, políticos, culturais, econômicos, ambientais e sociais, e também analisa o agenciamento da emergência étnica e os conflitos territoriais relacionados aos agentes econômicos. O GEIPAM prima pelo diálogo interdisciplinar, interseccionando com as áreas de História, Antropologia, Sociologia, Saúde, Linguística e Educação. O Grupo está norteado pelo debate decolonial e intercultural, refletindo sobre a atual produção de conhecimento na Amazônia e sobre a Amazônia, partindo da perspectiva que os diferentes saberes oriundos de populações e comunidades tradicionais possuem um grau de cientificidade e devem ser respeitados e enaltecidos no cenário acadêmico, os quais ajudam a pensar a Amazônia dentro de sua própria lógica interna de organização e de funcionamento. Tem como eixo integrador de investigação as relações envolvendo saberes, territorialidades e identidades na Amazônia.

 
 Viste sua Fan page no   FACEBOOK
 
registrado em:
Fim do conteúdo da página